Sua network não funciona? Problema na comunicação

Você sabe qual o motivo mais provável do porquê sua network não está funcionando? Certamente é por causa de problema na comunicação! Sim, 100% dos problemas que acontecem tem sua origem em falhas na comunicação.

A comunicação é um fenômeno e como tal precisa ser compreendido ou você corre o risco de começar a tratá-la com um ente metafísico que foge à compreensão humana! Aliás é bom que se registre, só para relembrar: o ser humano tende a atribuir caráter superior e místico àquilo que não compreende na sua totalidade. Tem sido assim ao longo da história. Os povos Incas e Astecas quando viram pela primeira vez os espanhóis montados em seus cavalos, pensavam se tratar de deuses com quatro pernas e armaduras de ouro, os coitados foram dizimados!

Vamos aos fundamentos: A comunicação é um fenômeno que tem na mensagem (2) seu principal componente. Para que seja transmitida (3) a partir de sua origem, a mensagem deve utilizar necessariamente um meio: ar, cabo metálico ou óptico, água, micro-ondas ou a luz. Por esses meios transitam os sinais (na forma de símbolos ou ondas) que transportam um significante (1). Após ser entregue (4) e decodificada pelo destinatário a mensagem precisa ser interpretada e entendida para que tenha um significado (5). Depois disso espera-se a resposta, ou feedback (6), confirmando o recebimento e/ou a compreensão da mensagem. Podemos observar este ciclo na indicação numérica da ilustração seguinte referenciada pelos círculos numerados e respectivas indicações no texto.

Processo Comunicacional

Processo Comunicacional

A comunicação pode falhar?

Uma comunicação poderá falhar quando:

  • A mensagem não chegar ao destino;
  • Emissor e receptor não utilizarem uma linguagem de conhecimento comum;
  • A mensagem sofrer distorção ao ser transmitida por causa de ruídos;
  • A mensagem estiver incompleta;
  • A mensagem for ineficaz (sem clareza suficiente ao entendimento);

Quando falhar, a mensagem desencadeará uma reação no receptor, mesmo que não chegue, pois a ausência de mensagem pode ser interpretada como uma mensagem. Essa reação será assertiva se a interpretação do receptor for a esperada pelo emissor. Quando a interpretação for diferente da esperada está instalado o problema na comunicação, ou seja, a ideia comunicada foi diferentemente interpretada pelo receptor.

E nas empresas, o que acontece?

Nos ambientes corporativos a correta interpretação de mensagens é fator determinante ao sucesso de processos de trabalho e negociações internas ou externas (com clientes, parceiros de negócio, colegas de trabalho e fornecedores). O caráter e a personalidade de cada pessoa determinam o quanto e o como ela utilizará as falhas e limitações na comunicação do outro em benefício próprio, ainda que isso cause prejuízo ao outro (direta ou indiretamente).

A exploração das falhas na comunicação é o nascedouro dos conflitos dentro dos grupos de trabalho. Demonstrar algum traço da incompetência do outro pode ser o objetivo e missão maior de uma pessoa dentro da empresa. Quem age assim acredita que ao fazer isso estará construindo o caminho para sua ascensão, mas esquece de avaliar o prejuízo que causará ao outro, à organização como um todo e a si próprio como indivíduo. Quem agir assim fará recair sobre si suspeitas quanto à lisura, honestidade, isenção e correção com que trata suas relações.

Quando o caráter apaziguador, parcimonioso e colaborativo perde espaço para o caráter agressivo, conflituoso e desagregador em nome do que alguns preferem chamar de “espírito competitivo”, “saber enxergar uma oportunidade”, “garantir seu lugar”, entre outras justificativas, revelam uma gigantesca falha de caráter. Isso acontece quando a personalidade do indivíduo é frágil a ponto de se deixar conduzir, manipular e influenciar pelas pessoas, pelo ambiente e situações do cotidiano.

Quais são os tipos da comunicação?

Voltando à comunicação: Ela pode ser quente ou friaunidirecional ou bidirecional.

 

Bidirecional Quente

Bidirecional Quente

A comunicação bidirecional quente é a que se dá na interação face a face entre duas ou mais pessoas. De longe esta é a comunicação mais eficaz, pois é carregada de características e feedbacks verbais e não verbais que permitem aos interlocutores perceberem se a comunicação está se desenvolvendo adequadamente com a compreensão mútua e evolução do processo comunicacional(1).

 

 

Bidirecional Fria

Bidirecional Fria

A comunicação bidirecional fria é aquela desenvolvida com o uso de um telefone ou outro meio eletrônico síncrono no qual o som da voz é combinado ou não com a imagem. A interação não se dá face a face e isto requer dos interlocutores boa dose de articulação verbal, timbre, entonação e intensidade de sua voz para que o processo comunicacional(1) evolua até um nível considerado no máximo razoável (a frieza desse tipo de comunicação pode ser muito prejudicial). A necessidade constante de feedback (espontâneo ou solicitado) quebra a naturalidade da comunicação e a deixa bastante formal.

 

Unidirecional Fria

Unidirecional Fria

A comunicação unidirecional fria (também conhecida por broadcast) é aquela que não permitem o feedback do interlocutor, mas pode atingir grupos muito maiores de pessoas. O exemplo disso é o rádio, televisão, mídias impressas (jornal, revista).

 

 

 

Unidirecional Quente

Unidirecional Quente

unidirecional quente pode ser constatada em um palestra ou apresentação artística e outros eventos envolvendo grandes públicos no qual a interação individual com o emissor é inviável devido ao formato e objetivo da comunicação.

 

Bidirecional Fria

Bidirecional Fria

A bidirecional fria tem também um bom exemplo no e-mail e mensagens privadas das redes sociais. Ela pode ser carregada de emoção na forma que as palavras são aplicadas e tem caráter extremamente formal. O e-mail, por exemplo, é considerado documento e é largamente utilizado no universo da comunicação corporativa para registrar ações, solicitar serviços ou informações, formalizar processos e tudo mais que requeira um registro formal.

O que fazer para comunicar sempre certo?

Para comunicar uma mensagem com eficiência (sem prolixidade) e eficácia (fazendo-se entender) o primeiro passo é saber encadear seus pensamentos em uma ordem coerente e lógica. A qualidade da comunicação e o valor da mensagem emitida será tão maior e melhor quanto for o hábito de leitura de quem comunica. A leitura é fundamental para o desenvolvimento efetivo da capacidade de raciocínio, força de argumento, capacidade de articulação das ideias, vocabulário e fluência.

Há quem comunique bem através da fala, mas apresenta fraqueza na escrita. O contrário também ocorre, quem escreve bem, mas não consegue falar com fluidez. Para escrever bem é necessário muita leitura de boa qualidade e variedade (livros, revistas, jornais, romances, poemas e artigos). Já para falar com eficácia (não necessariamente falar bem) a ausência da leitura não é impeditivo. É claro que a pessoa que não tem o hábito da leitura poderá falar com relativa eficácia, mas certamente precisará lançar mão de metáforas, onomatopeias e até comparativos jocosos, devido a limitação de seu vocabulário.

Se você chegou até aqui, parabéns, você é uma das pessoas que demonstra-se interessada em comprovar a resposta que dei à pergunta que fiz no início do texto seguida de uma afirmação: Você sabe qual o motivo mais provável do porquê sua network não está funcionando? Certamente é por causa de problema na comunicação! Sim, 100% dos problemas que acontecem tem sua origem em falhas de comunicação.

Qual a relação da comunicação e minha network?

Para desmistificar o tema: Uma network não é uma rede de pessoas que servem para promover e proteger a incompetência. O profissional que vê e procura formar sua network baseada em pessoas que tenham prestígio, respeito e poder suficientes para recomendar e indicar o seu trabalho e atuação para posições dentro da empresa onde atua ou em busca de novos cargos e/ou oportunidades, está completamente equivocado. Este não é o objetivo da network ou o nome seria “rede de indicações” ou “rede de QI”.

A verdadeira network profissional privilegia o conhecimento e a competência. Sua rede é o fórum e o meio adequado para buscar e procurar cercar-se de profissionais que tenham efetivo conhecimento (conjunto de habilidades e competências) e que reúna características de caráter, comportamento e atitude aderentes ao que você precisa para desempenhar melhor o seu trabalho, ou seja, você estará em busca de perfis complementares ao seu.

Para fazer um trabalho excepcionalmente bom e desempenhar muito bem um papel é preciso cercar-se de expertises complementares. Quanto mais pessoas que complementem seu conhecimento você tiver em sua rede, maior será a chance de você conseguir articular-se para a realização de projetos complexos que poderão trazer bons resultados, grande visibilidade e extraordinário ganho de experiência para todos que dele participem.

O próximo passo:

Porém, para que isso seja viável é necessário (condição sine qua non) que você faça concessões e adequações permanentes em sua forma de ser, pensar, avaliar e considerar o seu entorno, ou seja, aquilo que te cerca como indivíduo e como profissional, mas isto é assunto para um próximo artigo.

Obrigado por ter lido! Se você considerou esse conteúdo útil para você, peço seu apoio para divulgar este site para sua rede de contatos e aproveite e dá um curtir em minha página no facebook. Pode também assinar minha newsletter para receber em seu e-mail os novos artigos que eu publicar.

(1) – Processo comunicacional: – Conjunto de ações de comunicação (falar, ouvir, escrever, ler) realizadas pelos interlocutores e que resultam na transmissão eficaz de ideias do emissor ao receptor.

No seu trabalho quais meios de comunicação você mais utiliza? (selecione dois)

Resultado Parcial

Loading ... Loading ...

Obrigado por ter lido! Se você considerou esse conteúdo útil para você, peço seu apoio para divulgar este site para sua rede de contatos e aproveite e dá um curtir em minha página no facebook. Pode também assinar minha newsletter para receber em seu e-mail os novos artigos que eu publicar.